Docentes e alunas do UNISAL integram o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher em Americana

Publicado em: 11/12/2020
Cerimônia de posse foi realizada de maneira remota.

As brasileiras só tiveram direito ao voto em 24 de fevereiro de 1932, na Era Vargas, e foi um longo processo na luta pela participação das mulheres na política, iniciado no século 19. Hoje, 88 anos após a conquista do direito ao voto, a representatividade das mulheres na política se dá de diferentes formas, uma delas, pelo Conselhos Municipais dos Direitos da Mulher.

Marta Pasquali, coordenadora do curso de Pedagogia do Centro Universitário Salesiano de São Paulo – UNISAL, Unidades Americana e Campinas, será mais uma representante dessa conquista. A docente, que recentemente recebeu o título de cidadã emérita da Câmara Municipal de Americana, foi empossada, no dia 10/12/2020, como  titular governamental das instituições de ensino de nível superior, no Conselho Municipal de Defesa da Mulher (CMDM) de Americana.

Juntamente com a profa. Marta, a profa. Renata Sieiro Fernandes, docente de Pós-graduação em Educação no UNISAL, será empossada como suplente, conforme consta no Decreto 12.577 – Artigo 1º.

“A participação da mulher como cidadã se faz de diferentes formas dentro do âmbito político. É preciso que tais participações sejam incentivadas e apoiadas cada vez mais. Estou muito grata por mais uma oportunidade”, explicou Profa. Marta.

A cerimônia de posse, em função da pandemia, foi realizada remotamente, via Microsoft Teams, às 9h, e contou com a presença de autoridades do município de Americana e dos membros que passam a compor o Conselho biênio 2020 – 2022.

Duas alunas de Direito do UNISAL foram empossadas no mesmo Conselho, por parte do movimento estudantil. A aluna Viviane Marin será titular, e a aluna Águida Fernanda Martins de Souza será suplente.

Para Viviane, integrar o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher da cidade como representante discente pelo Unisal é motivo de muito orgulho e alegria.

“Além de toda essa experiência me humanizar diante desse fenômeno da violência de gênero em nossa sociedade, poder vivenciar diariamente essa realidade até então despercebida por mim, me permite empregar todo o conhecimento acadêmico adquirido nas aulas a fim de compreender a realidade social em que todos estamos inseridos. Conceitos aprendidos em matérias como Direitos Humanos, Direito Penal e até mesmo Direito de Família, são alguns poucos exemplos que posso citar sobre a importância que essas aulas têm quando passamos a ver na prática o que antes era visto apenas na teoria”, explicou.

Águida afirmou que está vivenciando uma oportunidade que vem de encontro com sua construção de vida e carreira.

“Essa oportunidade trará aprendizado, uma forma diferente de lidar com as situações e com as pessoas. Ela veio agregar experiências em minha vida. No UNISAL me sinto acolhida, gosto dos professores e a forma como passam o conhecimento. É uma ótima faculdade”.

O Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (CMDM) tem como objetivos, a deliberação, normatização, fiscalização e execução de políticas relativas aos direitos da mulher, visando ser um centro permanente de debates entre os vários setores da sociedade.

Com formação humanista, a proposta pedagógica do UNISAL incentiva o protagonismo do aluno e sua inserção no mundo do trabalho. As aulas, atividades, Projeto Integrador e Projeto de Vida, bem como os docentes altamente qualificados e atuantes do mercado fazem parte de um planejamento que visa a formação completa do aluno.

“A proposta do UNISAL pede que o perfil do aluno seja de protagonista, que constrói seu aprendizado diariamente em suas vivências acadêmicas e pessoais. Eu procuro aproveitar todas as oportunidades extras que o UNISAL proporciona aos alunos, e posso dizer que essas oportunidades são bem numerosas, sejam elas através de aulas de monitoria, estágios no Núcleo de Práticas Jurídicas, cursos extras que a universidade oferece aos seus alunos de forma gratuita, a realização de eventos acadêmicos, palestras e simulações práticas de eventos que enfrentaremos no mercado de trabalho. Hoje compreendo a necessidade de me tornar protagonista em minha própria história profissional, que está sendo construída diariamente com base nos valores salesianos de amizade e amorevolezza”, compartilhou Viviane Marin.