Dia do idoso: importância de alternativas de socialização durante a pandemia

Publicado em: 14/10/2020
Foto: Internet

Programa Idade Ativa, do UNISAL, mantém as aulas remotas para promover integração entre seus alunos com mais de 50 anos

Uma das medidas para conter a pandemia de COVID-19 é o isolamento social. A prática, contudo, exige atenção com a saúde mental, principalmente entre os idosos. Dessa forma, é preciso encontrar opções que possam mantê-los em convivência social. É o que o Centro Universitário Salesiano de São Paulo – UNISAL está fazendo com o Programa Idade Ativa.

O projeto, um curso de formação permanente da instituição de ensino para pessoas acima de 50 anos, mantém suas aulas em 2020 mesmo com as normas de distanciamento social. No lugar de encontros presenciais, o aprendizado é on-line, com os professores dando suporte e estimulando a interação social entre os colegas de classe durante as atividades.

O objetivo é manter o nível de aprendizado entre os alunos e, principalmente, diminuir o sentimento de solidão durante o isolamento social. “As aulas seguem com abordagem multidisciplinar e assuntos relacionados à sociedade e à cidadania, além de temas específicos sobre envelhecimento, saúde e qualidade de vida”, afirma Daniele de Oliveira Castelan, coordenadora do Programa Idade Ativa, Unidade Campinas.

Há, também, aulas de alongamento e hidroginástica, que são as atividades mais procuradas no Idade Ativa da Unidade Campinas, e que sofreram adaptações com a pandemia.

“Com o Idade Ativa, esse período está com bastante aprendizado. Houve uma continuidade com o que a gente já tinha em sala de aula, o que ajuda a superar esse tempo difícil de isolamento social”, confirma Luzia Gurian de Oliveira, 74 anos, aluna da Unidade Campinas.

É uma medida necessária durante a pandemia de COVID-19. Estudo da Universidade de Chicago mostra que a solidão aumenta em 14% o risco de morte em faixas etárias elevadas. Além disso, levantamento do Instituto de Pesquisa do Risco Comportamental (IPRC Brasil) aponta que três em cada dez idosos no Brasil não respeitam a quarentena e o segundo motivo mais listado para justificar essa atitude é a preocupação com a saúde mental.

Atualmente, o Programa Idade Ativa conta com mais de 40 professores de disciplinas como “Educação Nutricional”, “Jogos”, “Afeto, Memória e Cognição”, “Ética”, “História do Mundo”, “Gastronomia”, “Dança e Criatividade”, “Alongamento”, Hidroginástica”, entre outras. As disciplinas são trocadas a cada semestre para manter a oferta variada de conhecimentos. O curso tem duração de até três anos, mas os interessados podem participar quantas vezes desejarem.

A iniciativa começou em 2002 na Unidade São Paulo, Campus Santa Teresinha. Ele foi inspirado no modelo de universidade aberta à terceira idade, criado por Pierre Vellas em Toulouse, na França, na década de 1970. Seu objetivo é promover a inserção do idoso na vida acadêmica e estimular a interação, a construção de novos saberes e o convívio social.

“Eu achava que já tinha feito tudo o que precisava fazer. Contudo, após conhecer o Idade Ativa, vi que antes era apenas um intervalo para eu começar a viver plenamente e ser protagonista da minha própria história”, explica Neusa Medeiros, 75, também aluna da Unidade Campinas.

As inscrições para o Projeto Idade Ativa acontecem entre dezembro e janeiro, com aulas a partir de fevereiro. Entretanto, devido à pandemia de Covid-19, todos os cursos livres estão temporariamente com inscrições suspensas. Mais informações no site www.unisal.br/cursoslivres e link “Idade Ativa – Envelhecimento Saudável”.