Alunas do UNISAL Americana relatam experiências de Intercâmbio no Chile

pastedImageDuas Alunas do UNISAL Americana/Maria Auxiliadora participaram do Programa de Internacionalização na  Universidad Católica Silva Henríquez (UCSH) em Santiago do Chile. Mariana Mayoral (do Curso de Psicologia) e Mariane Ragonha (do Curso de Administração) contam como foi a experiência.

Mariana Mayoral: “A intenção de fazer um intercâmbio me acompanhou por toda a vida, e ao saber que o UNISAL contava com convênios em universidades de todo o mundo, pude visualizar a realização de um sonho. Não senti nenhuma dificuldade para decidir meu destino, já que em 2014 conheci a Universidad Católica Silva Henríquez, em Santiago do Chile, durante a Jornada de Psicologia, na qual Docentes e Discentes de ambas as universidades expuseram trabalhos e projetos. Pensei que encontraria muita dificuldade na comunicação, porém a Universidade se apresentou preparada para o auxílio do idioma, oferecendo tutorias. Os professores mostravam-se capacitados para a recepção de alunos estrangeiros, negociando o método de avaliação e as datas para melhor aproveitamento. Durante meu intercâmbio não evoluí apenas na parte profissional, mas também na parte pessoal. Adquiri um novo idioma; potencializei minha responsabilidade, autonomia e capacidade de resolução de problemas; conheci contextos sociais, culturais, geopolíticos e econômicos; aprendi a valorizar minha cultura e me orgulhar da minha origem, e, por fim, realizei um sonho.”

Mariane Ragonha: “Foi minha primeira viagem sem minha família. Eram apenas eu e mais 3 amigos brasileiros: os quatro alunos salesianos que ganharam a bolsa no Chile por próprio mérito. A UCSH é uma das melhores e mais respeitadas instituições de Engenharia Comercial, e por ser uma universidade, as pessoas e o ambiente são extremamente inspiradores. Diferente de muitos alunos que ficam em período integral, eu cursei quatro disciplinas durante o semestre: Logística e operações, Ética e seus desafios, Comportamento Organizacional e Marketing. Eu não pude ter professores melhores – cada um com uma história diferente, diariamente me felicitando, e me usando como exemplo, por ter enfrentado esse desafio com tanta coragem. Procurei fazer disciplinas que eu pudesse validar quando retornasse ao Brasil, e uma das minhas favoritas é Comportamento Organizacional, que centra-se desde a  motivação individual até o trabalho em grupo. O melhor presente que eu poderia levar para minha vida é essa experiência que foi cedida pela universidade, as pessoas, o meu cotidiano, o ar! Vou sentir falta de tudo, mas é uma falta boa, porque sei que o que aconteceu foi por um motivo. Acredito que tudo é feito por linhas tortas, independente de dificuldades e desafios que fui obrigada a desafiar, e sem dúvidas 2017 foi o melhor ano da minha vida.” .