Pra Sempre UNISAL | Ex-Alunos
mestrado-unisal

Cerca de 25 novos Alunos são aceitos para o Programa em 2017

O Programa de Mestrado em Direito do UNISAL termina 2016 com a certeza de dever cumprido.

Ao longo do ano Professores e Alunos participaram de diversos Congressos e Seminários que envolvem as linhas de pesquisa, com apresentação oral de trabalhos, frutos de estudos realizados no Programa de Mestrado.

Jean Gonçalves, um dos 25 aprovados para ingressar, em 2017, no Mestrado está ansioso. Graduado em Direito pelo UNISAL, em 2016, ele irá encarar um desafio em dose dupla. “Além do amadurecimento no estudo, vou pesquisar uma área totalmente diferente da que estudei na graduação, mas tenho certeza de que será uma ótima oportunidade”, revelou Jean. Confira a lista de aprovados.

O Programa de Mestrado prepara e forma professores e pesquisadores aptos a desenvolver e a implementar técnicas jurídicas de aprendizagem da ciência jurídica. São duas linhas de pesquisa: Direitos sociais, econômicos e culturais; Direitos de titularidade difusa e coletiva.

A ansiedade do Jean e de outros Alunos também se deve às estatísticas positivas do Programa em 2016.

A Revista Direito & Paz (ISSN 2359-5035) teve nível elevado em programa de qualidade estabelecido pela Comissão Qualis de avaliação dos periódicos jurídicos nacionais.

Também houve mudança de gestão. Docente por mais de uma década no Mestrado em Direito do UNISAL, a Ex-Aluna Prof.ª Dr.ª Maria Aparecida Alkimin, assumiu, em maio, o posto de Coordenadora. A Prof.ª Dr.ª Grasiele Augusta Nascimento ocupa agora o cargo de Diretora Operacional do UNISAL Lorena, mas não deixou a paixão pelo Mestrado de lado. “Vi o nosso Curso crescer, a nossa trajetória é linda, e só foi possível com muita união”, disse Grasiele em uma das apresentações de eventos do UNISAL.

O ano de 2016 também foi destaque por conta de inúmeras outras atividades. A Proposta de internacionalização do Programa, por exemplo, possibilitou a realização do evento Internacional, IV SEMIDI (Seminário Internacional de Direito), que contou com a presença de palestrantes do Brasil, Colômbia, Argentina e Chile, cuja temática envolvida nos grupos de trabalhos, debates, palestras e conferências foi “Direitos Humanos e Desafios do Século XXI”.

Professores e Alunos do Programa também participaram, em 21 de abril, do I Congreso Internacional de Derechos Humanos promovido pela Universidad Católica Silva Henríquez, Santiago/Chile, em parceria com o Programa de Mestrado em Direito do UNISAL. Em julho levaram o nome do UNISAL para o XXV Encontro Nacional do CONPEDI (Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Direito), que ocorreu em Brasília e, em setembro, para o IV Encontro Internacional do CONPEDI, que ocorreu em Montevidéo-Uruguay. Para finalizar o ano, participaram em dezembro do XXV Congresso Nacional do CONPEDI, em Curitiba (7 a 10 de dezembro).

“O Mestrado também empreendeu atividade de extensão junto à comunidade estudantil e em várias escolas públicas e particulares por meio de palestras, divulgação e distribuição da Cartilha de Direitos Humanos e Bullying, bem como participou da elaboração e divulgação da Cartilha das Eleições, trabalhos amplamente divulgados pela imprensa”, revelou a professora Maria Aparecida Alkimin.

Tudo foi possível graças às parcerias com Núcleo de Extensão e Ação Comunitária P. Carlos Leôncio e Projeto Lorena Pela Vida.

A discussão sobre temas importantes, como é o caso do Bullying também rendeu uma palestra e a distribuição do material para os Colaboradores e Professores na Obra Social Salesiana em Campinas (SP), e alunos da ETEC de Lorena (SP) e Escola Estadual Paulo Virgílio, Cachoeira Paulista (SP). Apresentações que contaram com a participação de dois discentes. “Isso é excelente para a projeção do Mestrado em Direito na sociedade, e mostra que os Alunos são formados para se envolverem e colaborarem com questões sociais e educacionais”, revela Cidinha Alkimin.

A assistente do Programa de Mestrado do UNISAL, Bruna Borges, afirma que é muito gratificante o contato com tantos profissionais e que é notável a mudança em seus perfis, após concluírem o curso no UNISAL.

“Gratidão seria a palavra para definir o que sinto trabalhando no Programa de Mestrado do UNISAL. Digo isso pela convivência com os Professores, mas, principalmente, com os Alunos. Nossos Alunos são juízes, promotores, desembargadores, professores universitários, advogados e é visível a transformação de cada um. O Mestrado os ajuda a tomar conhecimento de sua vocação e podemos vê-los saindo como lindos diamantes lapidados”, concluiu Bruna.

Confira aqui os livros lançados em 2016 pelos Professores do Mestrado
  • Ana Maria Viola de Sousa
    • Direito ao Envelhecimento
  • Daisy Rafaela da Silva
    • Direito Social e Patrimônio Cultural
  • Jaime Meira do Nascimento Junior
    • A integridade física e sua proteção jurídica no Direito Romano
  • Maria Aparecida Alkimin
    • Violência sexual contra a criança e o adolescente: abordagem da violência sexual intrafamiliar de acordo com o sistema de proteção jurídico-legal brasileiro e português
  • Milena Zampieri Sellmann
    • O ISS no Contrato de Franquia
    • Processo Tributário de Acordo com o Código de Processo Civil de 2015
  • Pablo Jimenez Serrano
    • Justiça e direito
    • Doutrina dos direitos humanos
  • Grasiele Augusta Ferreira Nascimento – Maria Aparecida Alkimin – Daisy Rafaela da Silva (ORGANIZADORAS)
    • Direitos Humanos e Juventude: Estudos em Homenagem ao bicentenário de Dom Bosco

Metodologias Ativas

A meta é ambiciosa:  formar professores que transformem a sociedade. Mas se precisar de ferramenta e gente qualificada para atingir o objetivo, isso não será problema.

A cada semestre, a equipe do Laboratório de Metodologias Inovadoras do UNISAL Lorena oferece uma formação gratuita para ensinar um novo jeito de incentivar o aprendizado dos alunos em diversas áreas.

Afinal, é essa a demanda do mercado, apontam pesquisas de empresas renomadas em qualificação profissional.

“A expectativa da sociedade com o desempenho dos profissionais mostra-se cada vez mais elevada. É justamente neste contexto que a comunidade acadêmica é cobrada a criar um formato de ensino que leve à superação dos limites do conhecimento apresentado em sala.”- (Fonte: STHEM Brasil)

O conceito “Metodologias Ativas de Aprendizagem” já existe há algum tempo nos Estados Unidos, Canadá e em outros países. No Brasil, o Consórcio STHEM, encabeçado pelo UNISAL, tem espalhado a ideia pelos 4 cantos do país.

Segundo Adriana Neves, responsável pelo Programa de Relacionamento com o Ex-Aluno, em 2015, cerca de 150 pessoas receberam a qualificação em Metodologias Ativas.

“Os relatos e exemplos colocados em prática mostram que esses professores passaram a enxergar a sala de aula como um espaço de compartilhamento mútuo e os alunos como protagonistas de seu próprio conhecimento”, revelou Adriana.

Além dos Ex-Alunos, podem participar das formações Professores do UNISAL, do Colégio São Joaquim e de Escolas Públicas e Alunos do Mestrado em Direito do UNISAL.

Neste semestre já foram realizadas as seguintes formações:

Plataforma Moodle: Como explorar seus recursos

Peer Instruction com novas tecnologias

TPS – Think Pair Share: Pensar, compartilhar e socializar

Clique aqui para acompanhar as próximas datas das formações.

O LMI  também realiza plantões para atender os interessados.

Quer bater um papo com a equipe?  Mande um e-mail para lmi@lo.unisal.br e agende uma conversa.

cartilha-bulliyng

A Cartilha do Bullying, organizada pelo Programa de Mestrado do UNISAL Lorena, ganha notoriedade no Portal da Revista Exame. O projeto conta com a participação de Ex-Alunos. Confira!

Escolas salesianas promovem projetos de prevenção ao bullying

Está em vigor desde fevereiro deste ano a Lei nº 13.185, que estabelece o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying) em todo o Brasil. O texto apresenta as situações que podem ser consideradas bullying, além de estabelecer regras para definir casos de intimidação realizados por meio da internet (cyberbullying). Estabelece também as medidas que as instituições de ensino devem adotar para identificar e combater esse tipo de comportamento. Nas escolas que já possuíam programas de combate ao bullying, como é o caso de grande parte das unidades da Rede Salesiana de Escolas (RSE), a lei deu um novo impulso e direcionamento às atividades.
A Lei nº 13.185, sancionada em novembro de 2015 para vigorar a partir de 2016, determina que escolas, clubes e agremiações recreativas têm o dever de assegurar medidas de conscientização, prevenção, diagnóstico e combate ao bullying. Por isso, ela abrange um programa que inclui a capacitação de docentes e equipes pedagógicas, por meio de campanhas de educação e de informação.

Muitas instituições de ensino salesianas, como os colégios da RSE, faculdades e obras sociais, já desenvolviam ações de combate ao bullying, antes mesmo desta Lei ser sancionada. São atividades voltadas para a prevenção do bullying e cyberbullying que incluem palestras sobre o tema, com pais e alunos, debates, campanhas e projetos que buscam conscientizar os educandos sobre quão prejudicial é o bullying, seja para quem é vítima, seja para quem o pratica.

Bullying é Coisa Séria!

Um dos exemplos é o Instituto Maria Auxiliadora de Natal, RN, que lançou em fevereiro o projeto “Bullying é Coisa Séria”. A questão do bullying já é preocupação do Serviço de Orientação Educacional (SOE) da escola desde 2002, quando foi elaborado o primeiro projeto sobre o assunto. Desde então, a proposta foi sendo desenvolvida, sempre no sentido de oferecer aos alunos instruções de como proceder se estiverem sofrendo tal abuso e de transmitir informações para que eles saibam identificar quais situações do cotidiano escolar podem ser consideradas bulliyng e quais não.

Atualmente, o projeto conta com a participação de oito alunas do ensino médio que, em uma linguagem própria da idade, refletem com os alunos questões cotidianas que podem ser relacionadas ao bullying, como alimentação, figurino e aceitação de si mesmo. “Sabemos que tratar de um assunto tão delicado como o bullying não é fácil, mas a inserção de jovens falando para jovens, expondo também suas angústias e o que já sofreram, faz toda a diferença”, considera Cleide Moura, do SOE do ensino médio.

Os pais também são inseridos no projeto por meio de várias atividades, dentre elas, as rodas de conversa, onde eles se reúnem com psicólogos, orientadores, assistentes sociais, professores e alunos para discutirem o tema. “Os pais também procuram o setor de Orientação quando percebem algo estranho com o filho ou com a filha e solicitam ajuda da escola, principalmente no tocante ao cyberbullying, que tem causado muitos transtornos na vida de crianças e adolescentes”, explica Cleide.

Cartilha de Direitos Humanos

Outro exemplo da preocupação com o assunto nas instituições salesianas é a “Cartilha de Direitos Humanos” com foco na prevenção do bullying, elaborada pelo Programa de Mestrado em Direito do UNISAL (Centro Universitário Salesiano de São Paulo) – unidade Lorena, em parceria com a Secretaria Municipal de Esportes, Juventude e Lazer de Lorena. A cartilha tem por intuito conscientizar os alunos sobre os efeitos do bullying na sociedade. Em fevereiro, o material foi entregue aos alunos das escolas municipais de Lorena, inclusive de áreas rurais. A cartilha, que recebeu até tradução para o inglês, é a quinta de uma série que visa melhorar a sociedade, com a promoção da paz nas escolas.

A cartilha chamou a atenção da equipe pedagógica do Colégio Salesiano Região Oceânica, unidade da RSE em Niterói, RJ, e já foi inclusive utilizada em uma das atividades para os alunos do 6º ano do ensino fundamental II. “Trabalhei toda a cartilha com eles. Expliquei em uma linguagem bem clara, e eles se posicionaram e trouxeram vários relatos de filmes e vídeos que já viram sobre o assunto”, disse a orientadora educacional do ensino fundamental II, Tatiana Vidal.

Agora, a cartilha do Unisal passa a integrar os recursos do projeto “É bom ser do bem”, uma ampla campanha de esclarecimento e combate ao bullying e cyberbullying, realizada pelo Serviço de Orientação Educacional (SOE) do colégio salesiano, e que integra professores, equipe pastoral, supervisores e equipe pedagógica. “Trabalhamos em conjunto as regras de convivência, manual do aluno e encontros de formação, nos quais as turmas são levadas a participar de uma reflexão sobre situações percebidas no cotidiano de suas relações. Trabalhamos esse tema com base no Sistema Preventivo de Dom Bosco”, explica a orientadora do ensino fundamental I, Angela Bandeira.

Conhecer para não julgar

Toda criança ou jovem que adentra em uma escola salesiana tem contato imediato com o Sistema Preventivo de Dom Bosco, método educativo sustentado no tripé: razão, religião e “amorevolezza” (amor educativo). Entre os objetivos deste método educativo estão a aquisição e o desenvolvimento dos sentimentos de amizade, ternura e respeito pelo próximo, qualidades que contribuem para inibir a prática do bullying.

De acordo com a aluna Maria Luiza Martins Rodrigues, da 3ª série do ensino médio no Colégio Salesiano de Belo Horizonte, esse aprendizado ocorre por meio de algumas ações nas quais o colégio busca colocar os alunos em contato com diferentes realidades e pessoas. “O colégio tem uma forma de lidar com a gente que procura sempre nos inserir em vários meios; principalmente nos projetos de visitas a creches, lares de idosos, casa de reabilitação…”, explica a estudante. “Antes de uma visita, a gente sempre conhece um pouco a realidade dessas pessoas e, consequentemente, acabamos entendendo e não desvalorizando ou julgando. Com esse trabalho o colégio ajuda a quebrar o preconceito, o que contribui para evitar que a gente pratique o bullying…”, completa Maria Luiza.

De acordo com Heloísa Fonseca, diretora do Colégio Salesiano de Belo Horizonte, a escola tem uma preocupação constante com as temáticas que afetam o desenvolvimento socioemocional dos alunos, como o bullying e o mau uso da Internet. “Ao longo do ano letivo são promovidos diversos momentos com os pais e alunos, pelas equipes de Orientação Educacional e da Pastoral Juvenil Salesiana, que fazem um trabalho sistemático de prevenção e acompanhamento”, destaca ela. “Uma prática comum desenvolvida pelos profissionais é estimular os estudantes a não se envolverem em conflitos e sempre relatarem quando presenciarem um caso. A discussão sistemática sobre o assunto conscientiza o aluno sobre as consequências do ato”, completa Heloísa.

Formação para educadores

O Centro Salesiano de Formação realiza, de 4 de abril até 3 de junho, o curso de extensão “Orientação Educacional: Bullying e Mediação de Conflitos”, em formato EAD (educação a distância). O objetivo é proporcionar espaços de reflexão e o desenvolvimento de conhecimentos conceituais sobre bullying e outras violências no ambiente escolar, tratando sobre o papel de educadores, escola e família diante dessa prática.

O curso é voltado aos orientadores educacionais de todos os segmentos nas unidades da Rede Salesiana de Escolas, e tem 60 horas de duração. De acordo com Ana Paula Costa e Silva, do Centro Salesiano de Formação, o curso foi uma opção estratégica da RSE no sentido de qualificar, ainda mais, os orientadores educacionais como mediadores de conflitos. “Os orientadores educacionais têm um papel importante no sentido de fazer uma ponte entre a escola, a comunidade e a família. Então, esse curso torna-se mais um elemento de competência para que eles possam realizar o seu trabalho”. Segundo Ana Paula, a temática do curso também se faz necessária pela atualidade do tema.

Clique aqui para ler a cartilha!