Pra Sempre UNISAL | Ex-Alunos
cidinha-alkimin-2

O som do violino, as aulas de latim, os ensinamentos de astronomia e o dom do acolhimento e da solidariedade com os pobres

 

Maria Aparecida Alkimin
Formada em Direito em 1991
Professora da Graduação e do Mestrado em Direito

É certo que o dinamismo da vida traz três componentes importantes: sonhos, esperanças e recordações. De fato, vivemos de sonhos, esperanças e recordações dos momentos importantes e também das pessoas que participaram de vários processos que integram a nossa vida ou passaram por nossa vida e marcaram-nos com atitudes, gestos ou palavras de carinho, amor, solidariedade; enfim, pessoas que deixam ensinamentos e valores que carregamos por toda a nossa existência.

Minhas recordações no ambiente salesiano remontam ao ano de 1987, quando então passei a integrar a instituição salesiana de duas formas: como aluna do recente curso de Direito (2ª. turma) e como empregada no exercício da função de auxiliar de departamento pessoal junto ao departamento da instituição de ensino que, naquela ocasião, estava localizado onde hoje é o laboratório de química.

Nesse ano de 1987, meu primeiro dia de trabalho foi especial e marcante, pois estava retornando do almoço para assumir o trabalho a ser desenvolvido no período vespertino e, quando ainda estava na portaria, comecei a ouvir o som de um violino. Ao me aproximar do corredor, próximo ao local do meu trabalho (departamento pessoal) deparei-me com a imagem que mais me encantou nesses anos todos de convivência no ambiente salesiano: era o Padre Hugo Greco, do andar tranquilo e dos olhos azuis, com seu violino, fazendo ecoar um som suave, cuja melodia fazia coro com o cantar dos pássaros, Ele me olhou profundamente e deslizou um sorriso cativante, fazendo-me sentir acolhida e também me fez crer que estava em um lugar especial, pois senti que ele era especial.

padre-hugo-greco (5)

Padre Hugo. Fonte: Jornal O Lince

Foram poucos anos compartilhando a presença do Padre Hugo, haja vista que adoeceu e veio a falecer no dia 22/6/90, mas o pouco tempo foi de muita satisfação e de muita graça, por ter encontrado no meio salesiano pessoa tão encantadora, cativante, generosa, solidária e acolhedora e que me proporcionou muito aprendizado, além de lição de vida, com seus atos de amor e de entrega ao próximo.

Tive oportunidade de participar da vida do Padre Hugo, acompanhando sua arte de tocar o violino, cujo horário preferido era o início da tarde, logo após o almoço, aprendendo latim nas aulas que ministrava nos dias de sábado pela manhã e, também, desfrutando de ensinamentos de astronomia que ele tinha prazer de transmitir aos alunos e demais interessados nessa ciência.

Padre Hugo Greco possuía um jeito muito especial de ensinar a ciência da astronomia, um método que ensinava e fazia com que assimilássemos os conceitos e termos científicos por meio da associação, ou seja, a ligação entre o termo científico e algum objeto, característica pessoal ou parte do corpo. Em um dos seus ensinamentos sobre constelações, quando com seu telescópio apontou-me as estrelas Canopus (estrela gigantesca localizada no hemisfério sul) e Sirius (uma das estrelas mais brilhantes que se avista no céu noturno), Padre Hugo disse-me: “Minha filha, você nunca vai esquecer se associar canopus a cano e sirius a cílios.” De fato, nunca esqueci!

Mas, as recordações do Padre Hugo Greco, marcantes na minha vida, não se limitam apenas ao som arrebatador do seu violino, às aulas de latim no dia de sábado pela manhã e aos ensinamentos de astronomia que ensinava nos pátios com o seu telescópio. Ele me marcou, principalmente, pela sua simplicidade e humildade, no falar, no vestir, no agir, bem como no modelo de pessoa humana que fez renúncias pelos pobres.

Nos dias de sábado, Pe. Hugo dirigia-se até a portaria da instituição onde tinha encontro com os pobres e entre eles distribuía o ganho auferido das aulas que ministrava, cujo gesto de solidariedade, cuidado, acolhimento e ajuda ao próximo foi a maior das suas lições. E essa lição de vida e modo de ser o tornou para mim muito mais que uma pessoa especial, mas também um homem santo, que reproduziu na sua vida os gestos de S. João Bosco.

O download do E-Book pode ser feito gratuitamente. Clique aqui e confira!

Esta é “A vida nos pátios do UNISAL”…

Porque o que dá sentido à vida não pode se perder no tempo!

 

advogado-ensino-medio

Uma porção de orientação vocacional, mais duas pitadas de pesquisa são os ingredientes mais esperados desta receita: encontro com quem já está no mercado de trabalho e que possa falar da profissão.

Com certeza, para muitos jovens a fase final do Ensino Médio é momento de apreensão. Afinal, qual profissão escolher? Quais critérios devem ser levados em conta? Posso me arrepender da opção quando já estiver na faculdade?

Especialistas em Recursos Humanos e Psicologia dizem que uma escolha profissional consciente leva em conta pelo menos três elementos: quem é você, o que se estuda durante o curso e como é o dia a dia da profissão.

Foi pensando nisso que o Colégio São Joaquim, de Lorena,  por meio da equipe de Orientação Educacional, promove mensalmente encontros com profissionais de várias áreas.

Os encontros de auxílio aos estudantes dos 2º e 3º anos do Ensino Médio sobre qual carreira seguir se transformam em momentos de diversão e até nostalgia.

No último mês de maio, foi a vez dos alunos conhecerem um pouco mais sobre a área do Direito. Foi também momento do Ex-Aluno do Curso de Direito do UNISAL, Luís Pulvino, matar saudade do método salesiano de ensinar.

“Desde o pré até o ensino superior conheço esse método, sou Ex-Aluno salesiano com orgulho, sei bem desse jeito diferenciado e cativante de ensinar e acolher. Que delícia poder retribuir”, disse Pulvino.

O advogado, formado em 2007,  atua na cidade de Cruzeiro em um escritório junto com o irmão, o também Ex-Aluno, Marcos Paulo Sobreiro. Pulvino é especialista em direito civil e direito do consumidor e sempre concede entrevistas sobre o tema para veículos de comunicação da Região.

No bate-papo com os alunos, ele contou curiosidades  sobre a rotina e os desafios dessa carreira.

advogado-luis-pulvino

“Fui muito bem recebido e percebi nos alunos o interesse por essa profissão”, disse Pulvino.

Direito é a ciência que cuida da aplicação e do cumprimento das normas jurídicas de um país para organizar e manter um bom relacionamento interpessoal entre os grupos e indivíduos da sociedade. O curso de Direito é do tipo bacharelado e dura 5 anos. O graduado poderá seguir inúmeros caminhos, dentre eles ser advogado, promotor ou juiz. Mas para isso é obrigatório obter um diploma reconhecido pelo MEC e realizar a prova da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).  

Segundo a OAB, atualmente o Brasil tem  800 mil advogados e mais de 1,5 milhão de bacharéis em Direito.

Saber escolher a profissão e ser um diferencial durante a faculdade, podem ser ingredientes essenciais para uma bela receita, aquela que citamos no início do texto.

https://www.cordis.com.br/

Dom Arnaldo Carvalheiro Neto estudou Filosofia na então Faculdade Salesiana de Filosofia, Ciências e Letras de Lorena (hoje UNISAL).

De acordo com o site da Rádio Vaticana, o Ex-Aluno nasceu em 11 de abril de 1967 em São Paulo. Estudou Filosofia na Faculdade Salesiana de Filosofia, Ciências e Letras (UNISAL) em Lorena (1989-1991) e Teologia no Instituto Teológico “Rainha dos Apóstolos” em Marília (1993-1996). Frequentou cursos de Direção Espiritual no “Institute for Spiritual Leadership” em Chicago-EUA (2002-2003) e de Capelania Hospitalar no “Mater Misericordiae Hospital” em Dublin-Irlanda (2006).

Além disso, obteve a Licenciatura em “Pastoral Counseling” na “Loyola University of Chicago” (2003-2006).

Recebeu a ordenação sacerdotal em 17 de maio de 1997 e foi incarinado na Diocese de Araçatuba (SP).  Foi pároco da paróquia de “São Brás” em Birigui (1997-2000) e em Chicago foi Vigário Paroquial da paróquia “Saint Roman” (2003-2006). Além disso, desempenhou o cargo de Diretor Espiritual do Instituto Teológico “Rainha dos Apóstolos” em Marília (SP). Atualmente, era Pároco da paróquia “São Pedro Apóstolo” em Gabriel Monteiro (desde 2007) e Reitor do Seminário Propedêutico de Araçatuba.

Fonte da imagem: Cordis