Pra Sempre UNISAL | Ex-Alunos
voce-nao-curriculo

Não se esqueça de suas habilidades, valores e trabalhos voluntários na hora de preencher o seu CV.

Se você resolveu ler esse artigo é porque tem interesse em novos desafios profissionais e oportunidades que podem chegar até você através do seu currículo. Embora muitas coisas tenham mudado na forma como buscamos um emprego nos dias de hoje, o currículo, seja impresso ou digital, ainda é uma ferramenta bastante utilizada pelas empresas.

Comecei a me interessar por currículos quando ainda estava na 8ª série. Sempre fui a pessoa da família que tinha computador e tinha habilidade de escrever; então, comecei a ajudar, primeiro, as pessoas da minha da família, e, ao decorrer dos anos, pessoas que trabalhavam comigo, amigos e participantes dos projetos sociais que trabalhei.

Em alguns casos, elaborei o currículo de algumas pessoas do zero. Lembro-me bem de uma amiga que não tinha experiência, nem mesmo cursos na área, e estava totalmente desmotivada com seu currículo. Aos poucos, fomos montando o currículo dela, não só com a escolaridade e a experiência, mas também com tudo o que ela já tinha feito antes, mesmo que de forma voluntária. Trabalhos para a igreja da qual ela participava, projetos sociais que ela ajudou, o “help” que deu para sua mãe na época em que a família precisava melhorar seus rendimentos, enfim, tudo o que, aparentemente, não é necessário colocar no currículo.

E qual foi o resultado dessa experiência? Ela conseguiu uma vaga como secretária de uma clínica que precisava de uma pessoa proativa, comprometida e esperta! Ao ler tudo o que essa minha amiga já tinha feito, o recrutador não teve dúvidas: mandou chamá-la. Hoje, felizmente, ela está formada e muito bem profissionalmente. Acredito que o principal motivo deste sucesso seja porque ela sempre acreditou nela mesma depois da primeira experiência de trabalho.

Esse é o convite que faço a você, neste momento em que muitas pessoas estão procurando empregos, distribuindo centenas de currículos, sem ter sucesso em suas buscas. É importante que você valorize as atividades as quais você realiza como voluntário ou como profissional autônomo. Todas essas experiências fizeram com que você seja o que é hoje!

É importante que você entenda que você não é apenas o resultado dos cursos que fez e dos lugares que trabalhou. Pense comigo:

Quais são seus valores como pessoa?
Quais trabalhos voluntários você já fez?
Quais trabalhos extras já fez para se virar enquanto não conseguia se colocar profissionalmente?

A grande questão é: como colocar essas informações no currículo? Simples. Se você for fazer o tradicional currículo impresso, destine um espaço com o título “resumo”. Neste resumo, você pode falar um pouco sobre você, sobre suas experiências, suas habilidades e informações que você acredita que sejam interessantes.

Se for cadastrar seu currículo em um formulário digital para preenchimento de currículos online, note que a maioria dos formulários, conta com um espaço onde você pode colocar anotações e resumos de outras atividades realizadas.

Agora, fique atento! Se você está à procura de trabalho e ainda não fez nenhuma atividade voluntária ou cursos gratuitos, está na hora de rever atitudes e se movimentar! Procure realizar cursos online gratuitos, aproveite as oportunidades de eventos culturais, sociais e educativos realizados em sua cidade, candidate-se para ser voluntário de um evento que você achou interessante. Com certeza, novas oportunidades irão surgir. Lembre-se, a mudança precisa vir de você!

Depois de mudar de comportamento e se dedicar a novos desafios, preencher um bom currículo será uma tarefa fácil. E então, vamos começar?

Vanessa Espíndola concluiu o MBA em Gestão de Pessoas no UNISAL Lorena em 2014. Atualmente é Palestrante e Assessora de Imprensa e Produção de Conteúdo.

5-passos-curriculo-cha-unisal

Desde que iniciei a Faculdade de Tecnologia em Gestão Empresarial, em 2007, ouço falar em CHA. Algo tão bom quanto uma bebida, tradicionalmente quente, que além de ser saudável pode lhe trazer muitos ganhos.

O CHA que me refiro é a famosa abreviação de Conhecimentos, Habilidades e Atitudes, competências imprescindíveis para o profissional que quer se destacar no mercado de trabalho.

Em 2012, quando iniciei o MBA em Gestão de Pessoas no UNISAL, também ouvi muito sobre o CHA e pude compreender a importância dele, não só para o candidato a uma vaga de trabalho, mas também para o recrutador. Entretanto, demorou um tempo para que eu pudesse perceber como o CHA poderia ajudar-me efetivamente na construção de um currículo. Ora! Se o conceito apresenta as competências que o profissional precisa ter e que o mercado está precisando, por que não desenvolver um currículo com base nele?

Recentemente recebi um currículo de uma aluna de Ensino Superior com muitas falhas, não somente na escrita, mas também na clareza do documento, que pode ser a primeira porta de entrada no mercado. Isso mesmo! O currículo é um documento que, como todos os outros, merece ser tratado com cuidado.

Vejo a deficiência, não só de universitários, mas também de pessoas formadas ou pós-graduadas em desenvolver um currículo que “fale a língua” dos recrutadores. Por isso, gostaria de compartilhar aqui 5 passos para desenvolver um currículo com base no CHA:

1. Apresente-se!

A primeira atitude que você deve se adotar é inserir seus dados pessoais:

- Nome (sempre com destaque) – Telefone – E-mail – Endereço

Dependendo da vaga, é interessante inserir a informação referente à Carteira de Habilitação e se tem disponibilidade para viajar.

Insira foto somente se a vaga exigir.

2. Foque no objetivo!

Vejo muitas pessoas errarem justamente neste quesito. Ou seja, já começam errando.

Caso você pretenda enviar o currículo para uma vaga específica, vá direto ao ponto.

Por exemplo:

Você quer concorrer a uma vaga de Analista Financeiro. No objetivo você pode escrever: “Ser contratado como Analista Financeiro.” Ou “Ocupar a função de Analista Financeiro”.

Nada de “participando”, “colaborando”, “crescendo com a empresa”. Isso tudo, além de ser clichê, não diz muita coisa.

Caso você queira entregar um currículo para ficar armazenado em um banco de dados para vagas futuras, uma boa opção de texto é “Fazer parte da empresa de acordo com minhas competências”.

Caso não saiba o que escrever nos objetivos é recomendável que deixe em branco a escrever um monte de palavras bonitas que ninguém vai ler. As pessoas que pegam seu currículo já sabem que você deseja trabalhar ali. Ok?

3. Seja rápido e direto!

Cada vez mais as informações precisam ser concisas e claras. Com o Gestor de RH não é diferente, por isso a necessidade de um currículo apenas com as informações mais pertinentes.

Insira somente o que for mais relevante para a vaga. Utilize uma folha no máximo.

Somente pessoas muuuuuito experientes precisam de 02 folhas. Pense nisso: Uma folha é o suficiente!

4. Divida o currículo!

Com base no conceito do CHA, o seu currículo perde aquela velha divisão de Formação Acadêmica, Experiência Profissional etc. Não que essas informações não serão utilizadas, elas serão inseridas de uma nova forma:

Conhecimentos: Diz respeito ao SABER. Insira neste item a sua formação acadêmica, faça uma lista dos cursos mais atuais para os mais antigos. Elimine os mais antigos se precisar dar espaço para outros. Priorize aqueles que tiverem mais a ver com seu perfil ou com a vaga. Mais importante que a quantidade de cursos são as atividades realizadas a partir dele. Por exemplo: trabalhos, projetos, TCC, artigos etc. Essas atividades podem estar em baixo de casa curso citado.

Habilidades: Significa “SABER FAZER”. Aqui você pode inserir sua experiência profissional, das mais atuais para as mais antigas também. Em baixo de cada experiência, insira quais foram os ganhos profissionais e para a instituição, ou seja, como você conseguiu aplicar seus conhecimentos no seu ambiente de trabalho. Por exemplo: Algum projeto de melhoria de processo, redução de custo, aumento nas vendas etc. Por via das dúvidas, é importante sempre ter algum documento que comprove essas informações.

Atitudes: Quer dizer “QUERER FAZER”. Neste item você deve inserir as informações que comprovem sua capacidade de colocar em prática os conhecimentos e as habilidades apresentadas acima. Por exemplo: trabalhos voluntários, palestras ministradas, decisões arriscadas que foram tomadas, resultados a longo prazo etc.

5. Deixe um gostinho de “quero mais”!

Como já dito anteriormente, o currículo não pode ser algo extenso, por isso muitas informações acabam ficando fora.

Uma forma que encontramos de suprir esse possível problema está em deixar um endereço online que contenha mais informações sobre você.

Recomendo deixar o link do Currículo Lattes e do site pessoal, se houver.

Dependendo da sua área de atuação, você também pode divulgar o endereço de suas redes sociais. Mas para isso é preciso muuuito bom senso, ok? Não insira as redes sociais se você não estiver certeza do que os recrutadores irão encontrar e se irão gostar.

Independentemente de qualquer endereço que você coloque, fique atento para que ele direcione o recrutador para um conteúdo atualizado e de acordo com a imagem que você deseja passar.

Essas foram algumas singelas recomendações para que seu currículo tenha um diferencial nas mãos do seu futuro empregador. Mas atenção!  Não há uma regra pronta. O currículo é seu cartão de visita e merece ser apresentado da melhor forma possível. Cuide da aparência e também do conteúdo. Caso você ainda não conheça esse tal de CHA, deixo aqui a indicação de uma leitura: “CHA – Conhecimento, Habilidade e Atitude”.

Bom trabalho a todos!

Sou Adriana Neves, do PROGRAMA PRA SEMPRE. Abraço!

Adriana Neves concluiu o MBA em Gestão de Pessoas no UNISAL Lorena em 2014. Atualmente é Assistente de Comunicação e Marketing.