reuso-agua

Para Mierzwa & Hespanhol (2005, p. 20), reuso da água é o “uso de efluentes” tratados para fins benéficos, tais como irrigação, uso industrial e fins urbanos não potáveis. Sua prática é conhecida em todo o mundo há muitos anos.

Deve-se considerar o reuso da água como parte de uma atividade abrangente com o uso racional ou eficiente da água, o qual compreende também o controle das perdas e desperdícios, e a minimização da produção de efluentes e do consumo de água (UNIVERSIDADE DA ÁGUA, 2007).

Muito embora o nosso planeta tenha três quartos de sua superfície coberta pela água, deve-se considerar que apenas pequena parcela, referente à água doce, pode ser aproveitada na maior parte das atividades humanas, sem que sejam necessários grandes investimentos para adequar suas características físicas, químicas e biológicas (MIERZWA; HESPANHOL, 2005).

O reuso da água para fins não-potáveis tem sido impulsionado em todo mundo em razão da crescente dificuldade de atendimento a uma demanda cada vez maior de água para o abastecimento público doméstico e da escassez cada vez maior de mananciais próximos ou de qualidade adequada para abastecimento após tratamento convencional da água (BASSOI; GUAZELLI, 2004).

Em 1958, o Conselho Econômico e Social das Nações Unidas promulgou o princípio da substituição de fontes de abastecimento, estabelecendo que “a menos que haja excesso, nenhuma água de boa qualidade deve ser usada em aplicações que tolerem o uso de água com padrão de qualidade inferior” (MIERZWA; HESPANHOL, 2005, P. 20).

O reuso da água pode ser planejado ou não (PHILIPPI JR; MARTINS, 2005). O reuso indireto não planejado do recurso hídrico ocorre quando a água  utilizada em alguma atividade humana,é descarregada no meio ambiente e novamente utilizada, de maneira não intencional e não controlada.

O reuso indireto planejado ocorre quando os efluentes depois de tratados são descarregados de forma planejada nos corpos de águas superficiais, subterrâneas ou no atendimento de algum uso benéfico.

O reuso direto planejado das águas ocorre quando os efluentes depois de tratados são encaminhados diretamente de seu ponto de descarga até o local do reuso, não sendo descarregados no meio ambiente. A indústria utiliza o reuso na refrigeração e alimentação de caldeiras e na água de processamento.

No meio urbano os usos são para: irrigação paisagística, combate ao fogo, descarga de vasos sanitários, sistemas de ar condicionado, lavagem de veículos, de ruas e de pontos de ônibus. A água da chuva é considerada pela legislação brasileira como esgoto, pois ela usualmente vai dos telhados e dos pisos para as bocas de lobo.

 Nos diversos usos são utilizados: na aqüicultura, construções, controle de poeira e na dessedentação de animais (CENTRO INTERNACIONAL DE REFERÊNCIA EM REUSO DE ÁGUA, 2010).

A prática de reuso é um dos componentes do gerenciamento de águas e efluentes e é um instrumento para a preservação dos recursos naturais. Contudo, a prática do reuso de água espera ser institucionalizada e integrada aos planos de proteção e desenvolvimento de bacias hidrográficas (NOGUEIRA, 2008).

A opção pelo reuso da água visa principalmente garantir o atendimento às demandas e, dessa forma, possibilitar que as aspirações por uma melhor qualidade de vida sejam atingidas.

Luecy da Silva Barboza concluiu os cursos de Pós-Graduação em Gestão Ambiental e em Perícia em Meio Ambiente no UNISAL (Pólo Roseira).