ex-aluno-marcio-villela

Graduação em Licenciatura em Matemática pelo UNISAL (1994), Mestrado em Matemática e Computação Científica pela UFSC (1997), Doutorado em Métodos Numéricos em Engenharia pela UFPR (2006). Você acha muito? Espere até saber do que mais foi capaz o Ex-Aluno de Matemática do UNISAL Lorena, Márcio Augusto Villela Pinto. Em 2014, ele concluiu Pós-doutorado em Matemática Aplicada pela Universidad de Zaragoza – Espanha.

Antes mesmo de concluir a graduação no UNISAL, há mais de 20 anos, ele já buscava informações sobre o curso de Mestrado. (tirar o Anos) Mais tarde, deixou a família em Lorena e foi para Santa Catarina (RS) em busca do que almejava.

Duas décadas depois, tudo o que sonhou tornou-se possível e concreto. Em uma visita à família, em Lorena, ele fez questão de compartilhar as experiências e apresentar Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal gaúcha.

Sávia Vidal é a aluna ao centro.

Sávia Vidal é a aluna ao centro.

Fã número 1 da Matemática, a aluna do 3º ano, Sávia Vidal, não escondeu a admiração pelo Ex-Aluno e pelo seu trabalho. “A palestra foi muito produtiva, principalmente para os alunos que estão terminando a faculdade neste ano”, destaca a futura docente que também ressalta a postura do acadêmico. “Ele é uma pessoa do bem, pois além dele ter evoluído, também busca  ajudar as pessoas a crescerem também”, enfatiza a aluna.

Professor adjunto da Universidade Federal do Paraná, com atuação em Dinâmica dos Fluidos Computacional, Métodos Numéricos para EDP e Multigrid, o matemático também ficou encantado, não somente com as mudanças na estrutura do UNISAL, como também com o interesse demonstrado pelos alunos sobre o tema.

Parecia até papo de nerds, mas foi uma conversa enriquecedora para qualquer espectador, leigo que fosse. O assunto? Fluidos, algoritmos, matemática aplicada, derivados etc.

“O fato de ter sido aluno do UNISAL mostra que todos os graduados da matemática também têm capacidade de continuar na vida acadêmica, ingressar em um mestrado e um doutorado e a atuar como docente até mesmo no nível superior”, conclui Sávia.