mattostt-2

 “O trabalho integral resultou na conquista dupla do Troféu Eficiência.”

De um lado, Felipe Matos de 10 anos, de outro, Dirce de 53 anos. O que parece um duelo é, na verdade, a união em prol da formação integral do cidadão. Sim, aquela premissa proposta em muitas leis é levada à risca em um projeto singelo realizado no Vale do Paraíba.

Singelo em termos financeiros, mas exemplo em cultura de trabalho em grupo esportivo.

Estamos falando do Time de Tênis de Mesa, equipe Matos TT (Table Tennis) de Lorena (SP).

O projeto, existente há 13 anos, tendo como idealizador Fábio Matos, conta atualmente com 327 inscritos de 6 a 80 anos. Eles participam de treinos gratuitos três vezes na semana: segundas, quartas e sextas-feiras, na quadra do Delta, em Lorena. São três turmas participantes:

- Das 18h às 20h: Profissionais que treinam para competições;
- Das 20h às 21h: Iniciantes 2, categoria que ainda não atingiu nível profissional;
- Das 21h às 22h: Iniciantes 1, pessoas que fazem uso do esporte como hobby e/ou atividade física.

E para manter viva essa iniciativa, nos bastidores, há uma legião de anjos voluntários, apoiadores e patrocinadores. Gente que transforma os sonhos em realidade.

Em meio a esses anjos, há uma Ex-Aluna do UNISAL Lorena, que leva consigo o espírito salesiano de Dom Bosco. Seu nome é Maria Fernanda Rodrigues, formada em Psicologia em 2010, mas entre os atletas ela é conhecida como “Tia Fernanda”.

Quer saber qual o motivo? Em um bate-papo com a equipe de Comunicação e Marketing do UNISAL, ela falou sobre as regras nos bastidores e o clima de apoio que dão sustentação aos competidores. “Os alunos de qualquer idade não podem faltar duas vezes consecutivas  se não ficam fora do treino. No caso de crianças, adolescentes e adultos que tiveram nota ruim na instituição de ensino em que estudam, ficam suspensos, mas devem comparecer ao treino para estudar a disciplina que estão com desempenho ruim”, disse a Fernanda.

Ou seja, o tipo de metodologia adotado pelo grupo Matos TT explica o sucesso nas competições e na vida.

O grupo é bicampeão do Troféu Eficiência 2014 e 2015 da Liga Valeparaibana de Tênis de Mesa (LVTM), como melhor equipe de Tênis de Mesa da Região Metropolitana do Vale e Litoral Norte, além de ser referência pela Confederação como um Centro Nacional de Tênis de Mesa, título conquistado em 2013. “As pessoas nos visitam para saber o que fazemos de diferente”, disse Fernanda.

Algumas regras são semelhantes às de outras equipes.  Enquanto um jogador não está na mesa durante uma competição, ele se transforma no árbitro, até para enxergar os erros de seu adversário. A disciplina no esporte é tanta que influencia até na torcida. “Ao invés da gritaria ouvida em torcidas de futebol, por exemplo, no tênis de mesa, tudo é muito contido. E se alguém sai do script, rapidinho a gente já o coloca na linha”, diz Fernanda.

A torcida entra em cena, mesmo que de forma discreta, nos treinos e nas competições.  A equipe disputa e organiza a Copa Lorena, na qual a intenção é massificar o esporte na cidade e arrecadar alimentos para instituições da cidade. Além da  LVTM e outros Campeonatos Regional, Estadual, Nacional e Internacional. Mesmo com pouco patrocínio financeiro, a permuta com empresas da cidade e do Vale e o apoio da prefeitura possibilita o sonho. Segundo Maria Fernanda, o ato de competir dá fôlego e sentido ao trabalho dos atletas.

Neste vídeo você confere um pouco sobre essa bela história!

.

ENTENDA O TRABALHO DA EX-ALUNA
ex-aluna-maria-fernanda (6)

Maria Fernanda Rodrigues

Foi por acaso que Maria Fernanda conheceu a equipe Matos TT. Por intermédio da prima dela, Vera Silva, uma atleta profissional, que ela veio a ocupar a figura materna dessa turma de filhos de 6 a 80 anos.

Foi na psicologia esportiva, aplicada com o grupo, que ela conheceu sua nova família.

Maria Fernanda atua de forma coletiva, com conceitos da Psicologia. Dentre eles, o da Psicomotricidade, quando trabalha a consciência corporal, e o reconhecimento sobre sua força. Quando o caso exige mais cuidado, ela recomenda o atleta para um atendimento individual.

Apresentamos também outro anjo voluntário: Adam Oliveira, preparador físico da equipe. Cabe a ele as recomendações técnicas. E são muitas! “É preciso atenção dentro e fora da competição, apesar de que temos nos jogos verdadeiros guerreiros que, muitas vezes, anulam dores em prol de um resultado positivo da equipe”, conta Fernanda.

Diferenças sociais e culturais  na equipe são muitas, mas não o suficiente para abalar o time. Os problemas que podem acometer e comprometer os atletas são resolvidos antes das partidas, depois e até mesmo durante a madrugada, via grupos criados nas redes sociais. “O que importa é o aluno estar no projeto de cabeça e alma. Afinal, você não forma para ser campeão no tênis de mesa, mas sim para ser campeão na vida”, avalia a psicóloga e Ex-Aluna UNISAL.

O  grupo Matos TT de Tênis de Mesa é diferenciado não somente por esses detalhes já conhecidos, mas por ser a única equipe do Vale a ter uma  psicóloga como parte integral do trabalho.

Conheça mais personagens dessa história, como o Tanaka, o Flávio e outros anjos da equipe, além dos resultados pelo site da LVTM ou Fanpage da Mattos TT!