G1-15-10-2014educação fisica

Renata Rodrigues foi atleta na infância e sempre praticou atividades físicas. No ensino médio, estudou magistério. Na hora de escolher a faculdade, foi direto para educação física. Hoje, depois de 19 anos de formada, gerencia o departamento aquático de uma academia no Rio de Janeiro, dá aulas para educação infantil em escola pública e é professora de pós-graduação. “O profissional tem um leque grande de atuação”, disse.

Na faculdade, há três opções de formação: bacharelado, licenciatura e licenciatura plena. Na primeira, o profissional pode trabalhar em academias, clubes e em empresas. Quem faz licenciatura pode dar aulas em escolas. Para ter licenciatura plena e poder atuar em qualquer área, os formados no bacharelado ou na licenciatura têm de estudar de um ano a um ano e meio a mais.

Quem quer trabalhar em academia pode se especializar na área aquática, como Renata, ou optar por musculação, esportes, desenvolvimento motor ou ginástica. Pode atuar ainda como personal trainer. Na área corporativa, há procura por educadores físicos para ensinar ginástica laboral. “As empresas já perceberam que o número de afastados diminui quando um professor de educação física faz um trabalho preventivo”, disse Renata.

Educadores físicos devem ser dinâmicos, ter inteligência emocional, devem ser comprometidos, otimistas e tem de se manter atualizados, segundo Renata. “É uma profissão muito viva. Tem novidade o tempo todo. Tem que estudar muito.” Além disso outras características importantes são um bom caráter, boa índole, ser bom ouvinte e ser bom comunicador. “O essencial é saber lidar com pessoas”, disse.

Para entrar na área, Renata fez estágios em várias áreas durante a faculdade. “Fiz de tudo um pouco, escola, academia”, disse. Nessa época, descobriu que gostava de trabalhar com crianças e manteve o foco nisso. “O profissional tem que conhecer todas as áreas, descobrir suas vocações e desenvolvê-las”, disse.

O piso salarial do sindicato no estado de São Paulo começa em cerca de R$ 1.200 para profissionais de academia e R$ 1.400 para quem dá aulas, mas pode ser maior dependendo do mercado. “A remuneração depende do setor e da região. Escolas particulares remuneram bem. A rede pública deixa a desejar. Nas academias, ainda há informalidade, mas a tendência é diminuir”, afirmou Renata, que é membro do Conselho Regional de Educação Física do Rio de Janeiro.

A dica de Renata para iniciantes é que procurem empresas “corretas” para trabalhar, que registrem os funcionários com o salário total na carteira profissional e que cumpra a legislação. “Temos buscado a valorização do profissional”, disse.

 Veja a lista das instituições que oferecem curso superior de educação física

Fonte: G1