EaD UNISAL reúne educadores da RSB-Escolas em formação pela Unidade Virtual

Colaboradores da Rede Salesiana Brasil que estão em processo de capacitação pela Unidade Virtual/EaD do UNISAL reuniram-se na Unidade São Paulo/Campus Santa Teresinha em 23 e 24 de fevereiro, no Encontro Presencial 2018 da RSB-Escolas. Educadores de todas as partes do Brasil participaram das conferências sobre “Competências Gerenciais na Perspectiva da Identidade Salesiana”.

O primeiro dia de programação, iniciado pela reflexão sobre a quaresma com a equipe de Pastoral do Campus, também contou com a presença da Ir. Adair Sberga, FMA – Diretora-Executiva da RSB-Escolas e Diretora/Primeira Vice-Presidente da Associação Nacional das Escolas Católicas (ANEC). Ir. Adair contextualizou o nascimento do curso de Extensão, que há dois anos vem sendo desenvolvido para proporcionar soluções e inovações na gestão educacional salesiana.

Os alunos presentes no evento representam a primeira turma a reelaborar diretrizes pedagógicas salesianas para a realidade brasileira. O Prof. Me. Silvio Guarde (responsável pelo desenvolvimento dos dois primeiros módulos do referido curso) e a Prof. Me. Ericka Vitta (que assumiu o trabalho para os próximos módulos) ressaltaram a importância do feedback das escolas envolvidas, para que o trabalho gere indicadores e seja aprimorado continuamente, com eficácia nos processos educativos e fidelidade à proposta, missão e identidade salesiana.

A Prof.ª Me. Iraji Oliveira Romeiro proferiu a palestra “Planejamento e Processo”, com informações práticas para uma gestão compartilhada e que contemple o ensino como um desafio construtivo, e não como mera articulação de burocracias administrativas. Também foi realizado no primeiro dia de atividades um Workshop sobre Identidade Salesiana, no qual todos os presentes foram divididos em equipes de trabalho para discutir temas relevantes à prática educacional diária.

Evasão, qualidade da presença, abertura para o transcendente, inovação, liderança, formação integral, interdisciplinaridade e a importância do coordenador pedagógico na gestão foram apenas alguns dos temas que perpassaram o Encontro. E no segundo dia de atividades (24/03), ocorreram mais palestras sobre “Gestão Estratégica das Escolas” e “Estudos na modalidade a Distância e Gestão do Tempo”, assim como a realização de um projeto integrado e um Workshop sobre Liderança e Recursos Humanos.

Pe. Jovandir Batista da Silva, Diretor do Colégio Salesiano Dom Bosco de Araxá-MG, esteve no encontro e compartilhou suas impressões quanto ao formato de gestão e educação para os dias atuais, para o qual é preciso “sair da zona de conforto para buscar novos conhecimentos e estabelecer metas”. Questionado quanto à facilidade ou dificuldade em realizar um curso de formação a distância, relatou que a metodologia é eficaz, mas depende estritamente da dedicação do aluno – “A nossa cultura é muito de sufoco, não de planejamento. Quando a gente consegue planejar desde o tempo pessoal, o tempo de estudo e o tempo de trabalho, aí facilita muito. Tem pessoas que vão dizer que é muito complicado, tem outras que vão dizer que não. Eu, por exemplo, já tenho experiência de outras formações a distância, então eu não tenho dificuldade e gosto muito. O curso, num primeiro momento, pode dar a entender que é mais fácil por você controlar o seu tempo. Mas você é o disciplinador de si mesmo”.

Patrícia Roberta da Silva Gomes, que é coordenadora administrativa e veio de Natal-RN para participar do Encontro, também ressaltou a importância de incentivar o protagonismo do aluno: “(é preciso) motivar os jovens, propor outras formas de ensinar, e criar novas formas de envolvimento, motivando também o professor a sair da mesmice”.

Para Elisângela Mendes dos Santos, vinda do cenário educacional de Jaboatão dos Guararapes-PE, a presença empática do docente faz toda a diferença no ensino salesiano: “estar perto não quer dizer que o aluno vai aprender, mas as escolas salesianas estão se preparando. Este é um dos cursos mais diferentes que eu já fiz – não tem só teoria, mas também a prática. Sou gestora e me deparo com todas as adversidades que se possa imaginar, e sei que o gestor tem que estar à frente do seu tempo, assim como Dom Bosco”.