Pastoral Urbana

São Paulo / Pio XI

  1. Duração do curso

    28h
    De 15 de março a 28 de junho de 2018

  2. Turno das aulas

    Vespertino

  3. Horário das aulas

    Quintas-feiras
    15h10 às 16h50

  4. Investimento

    3x R$ 129,90

Justificativa

O curso de extensão chamado ‘Pastoral Urbana’ pretende propor a reflexão sobre as lógicas das grandes cidades em suas dinâmicas antropológicas, sociológicas, geográficas, culturais e religiosas.  Analisará o fenômeno urbano e suas consequências para a ação evangelizadora, no contexto da diversidade de propostas religiosas e dos valores pós-modernos, à luz da Sagrada Escritura, da Tradição e dos principais documentos do Magistério da Igreja, propondo novas formas de ação pastoral.

Objetivos

1. Oferecer um espaço de reflexão sobre a Teologia Pastoral a partir do recente Magistério da Igreja; 2. Propor uma análise da dinâmica das cidades, de forma interdisciplinar, trazendo aos estudantes conhecimento diverso sobre os aspectos que infuem no trabalho de evangelização da Igreja; 3. Oferecer um espaço para trocas de experiências de evangelização nas cidades  como laboratório e possíveis inspirações para projetos pastorais que se traduzam numa saída de uma pastoral ‘de conservação’ para uma pastoral realmente ‘missionária”, na lógica do documento de Aparecida. 4. Entender os desafios das cidades, especialmente das megalópolis, especialmente nas dimensões cultural e social – entendendo seus fenômenos e as melhores estratégias para uma atuação eclesial.

Pré-requisitos e público-alvo

Estudantes de Teologia e interessados.

Método de Ensino

Aulas expositivas. Leitura de textos, análise de fenômenos, utilização de filmes sobre a lógica das cidades, partilha de experiências pastorais.

Conteúdo

1. Definição de Pastorais de Fronteira; 2. Estudo dos pressupostos bíblicos a respeito do profetismo e da Caridade; 3. Conhecimento dos principais documentos do Magistério Social da Igreja. 4. Análise das situações de vulnerabilidade social em relação às crianças, adolescentes, jovens, mulheres marginalizadas, trabalhadores, migrantes e refugiados, dependentes químicos e pessoas com orientações afetivo-sexuais diversas e as possibilidades de acompanhamento pastoral.