Música Litúrgica

São Paulo / Pio XI

  1. Duração do curso

    3 semestres (Julho) + 1 semestre para monografia

  2. Turno das aulas

    Matutino e Vespertino

  3. Horário das aulas

    08h00 às 18h00

  4. Investimento

    R$ 1.474,00 (parcela única)

O serviço prestado pela música na ação litúrgica requer uma formação específica e especializada para além do mero virtuosismo. É necessário que os ministérios litúrgico-musicais, isto é, o dos presbíteros, diáconos, salmistas, cantores, animadores, regentes, corais, instrumentistas e compositores, sejam formados adequadamente para que, na atuação e formação conjuntas – liturgia, espaço litúrgico/arte sacra e música – possam garantir uma celebração do Mistério Pascal de Cristo que seja, de fato, expresso e vivenciado pelas comunidades de fé, por meio da participação ativa, consciente e frutuosa.

Sobre o curso

A música litúrgica tem sido a “companheira fiel” da Igreja ao longo de toda a sua história. Sob diferentes aspectos, a música soube moldar-se às vicissitudes do tempo para levar adiante um projeto de Igreja quer em sua parte mutável quer na imutável, carreando o dado da fé em linguagem sensível e utilizando-se de variadas formas musicais da história. O Concílio Vaticano II, por meio da Constituição sobre a Sagrada Liturgia, lançou as bases para a renovação litúrgico-musical, associando à música a mesma finalidade da liturgia: a glorificação de Deus e a santificação dos fiéis. Referir-se à música como ação ministerial implicava, nesse contexto, na promoção do status funcional para o qual seria destinada desde a sua concepção. Deste modo, ampliava-se a compreensão de uma música como parte integrante da ação litúrgica com estreita relação à Palavra de Deus. A CNBB, ao longo do processo de renovação conciliar, proveu documentos, estudos, publicações com especial interesse na música litúrgica.

Na continuidade do processo de reforma litúrgica, a musicologia litúrgica se fortaleceu como área de estudo em países com maior tradição musical. No Brasil, a pesquisa neste âmbito ainda é escassa, porém já é possível vislumbrar estudos e ações formativas mais sistemáticas neste campo, com um cabedal de conhecimentos e um corpo de pesquisadores em expansão.

À música litúrgica pós-conciliar compete a capacidade de articular o dado cultural, musical e litúrgico, a fim de favorecer a participação dos fiéis na ação litúrgica. O aspecto estético, tão próprio da música, requer a apropriação de um ethos para que tal expressão litúrgica não se esvazie em seu significado primordial. Para tanto, a capacitação de agentes para o exercício ministerial requer uma integração de esforços para levar adiante o projeto de liturgia almejado pelo Concílio e encarnado na realidade brasileira e latino-americana.


Objetivos

– Apropriar-se dos conhecimentos teóricos e metodológicos da musicologia litúrgica com aplicação e implicações na realidade brasileira, latino-americana e caribenha e integrar o conhecimento musical ao litúrgico, com base no Rito (o projeto ritual), na Cultura (as implicações culturais) e na Música (o fazer musical).
– Capacitar profissionais da música para um exercício mais qualificado de seu ministério litúrgico, tornando-os participantes ativos no processo de pesquisa, e de ensino e aprendizagem no campo da musicologia litúrgica e, em especial, na formação litúrgica;
– Formar agentes de pastoral para o serviço litúrgico-musical, capazes de aliar conhecimento técnico e vivência litúrgico-espiritual;
– Aprofundar os critérios de análise, criação e escolha do repertório litúrgico, em diálogo com a cultura e a música contemporâneas.


Área de atuação

Ensino e pesquisa em musicologia litúrgica; ministérios litúrgico-musicais (cantor, animador, salmista, regente, instrumentista, compositor); organização da pastoral litúrgica; formação de agentes litúrgico-musicais.


Perfil do Egresso

Almeja-se que o profissional especializado em Música Litúrgica seja capacitado para atuar na pesquisa, no ensino e na pastoral litúrgica, mediante o desenvolvimento de competências integradas nos níveis: individual (conhecimentos, habilidades, atitudes), de equipe (colegialidade, diálogo, liderança, poder-serviço) e organizacional (processos, estruturas e tecnologia), em coerência com a visão teológico-litúrgica, mistagógica, espiritual e pastoral do Concílio Ecumênico Vaticano II e ulteriores avanços consonantes como o espírito evangélico e conciliar.


Estrutura Curricular

– Introdução geral à liturgia
– Liturgia
– História do rito cristão cantado
– Liturgia e música após o Concilio Vaticano II
– Formas musicais da liturgia
– Repertório litúrgico-musical: critérios de análise
– Prática pastoral da música na comunidade cristã
– Fundamentos de composição para a liturgia
– Música litúrgica e inculturação
– Metodologia da formação litúrgico-musical
– Percepção musical
– Técnica vocal e canto
– Técnica de regência coral e animação litúrgica
– Regência e canto coral
– Canto gregoriano
– Instrumentos musicais na liturgia
– Informática e edição musical
– Amplificação e comunicação sonora na liturgia
– Pesquisa e produção científica em musicologia litúrgica
– Seminários



Informações

Período de Inscrição: 09.02.2018 à 15.06.2018
Calendário de aula: 02.07.2018 à 20.07.2018



Seleção

– A seleção é feita pela coordenação do curso ou por uma comissão por ela determinada.
– Constará de análise do currículo e da documentação.
– Após a inscrição o candidato deverá enviar e-mail para o coordenador (marcio.liturgia@gmail.com)
– Para comprovar o conhecimento musical, os candidatos serão avaliados por meio de: a) Teste de conhecimentos de teoria musical;

b) Gravação em vídeo de uma leitura rítmica e de uma leitura musical;

c) Gravação em vídeo de uma peça musical de, no máximo, três minutos de duração, em seu instrumento de domínio técnico. Para cantores, será requerida a gravação de um Salmo responsorial de livre escolha, devidamente acompanhado de um instrumento harmônico.