Engenharia de Automação e Controle

Campinas / São José

Em outras unidades
  1. Duração do curso

    10 Semestres

  2. Turno das aulas

    Matutino e Noturno

  3. Horário das aulas

    M: 7h50 às 11h30
    N: 19h às 22h35

  4. Investimento

    Mensalidades 2017; Matutino: R$ 1.106,00*; Noturno: R$ 1.106,00

  5. Ato Regulatório

    Port. nº 419 de 08.05.2017 publicada em 10.05.2017.

O Curso de Engenharia de Automação e Controle proporciona uma formação multidisciplinar nas áreas de mecânica de precisão, eletrônica embarcada, lógica programável, informática científica, automação industrial, robótica, metrologia, controle e gestão da produção. Estimula a capacidade de absorver novas tecnologias, liderança e comunicação para trabalhar em equipe, consciência da necessidade contínua de atualização profissional e de uma atitude empreendedora. A filosofia salesiana contribui para um clima de cordialidade e integração entre todos os setores do UNISAL.

Campinas - Engenharia da Automação

Engenharia de Automação e Controle em Campinas

Na região de Campinas poderá atuar na área de automação em diversos setores da indústria: automotivo, petroquímico, metalúrgico, alimentício, farmacêutico, metal-mecânico, aeronáutico, eletrônico, sucroalcooleiro e outros segmentos, projetando e inovando em sistemas de automação. Estará ainda capacitado a dar treinamentos em empresas e instituições de ensino; e estará capacitado ao desenvolvimento e gerência do próprio negócio, com atitude empreendedora.


Objetivos

– Aplicar conhecimentos matemáticos, científicos, tecnológicos e instrumentais à engenharia;
– Projetar e conduzir experimentos e interpretar resultados;
– Conceber, projetar e analisar sistemas, produtos e processos;
– Planejar, supervisionar, elaborar e coordenar projetos e serviços de engenharia;
– Identificar, formular e resolver problemas de engenharia;
– Desenvolver e/ou utilizar novas ferramentas e técnicas;
– Supervisionar a operação e a manutenção de sistemas;
– Avaliar criticamente a operação e a manutenção de sistemas;
– Comunicar-se eficientemente nas formas escrita, oral e gráfica;
– Atuar em equipes multidisciplinares;
– Compreender e aplicar a ética e a responsabilidade profissionais;
– Avaliar o impacto das atividades da engenharia no contexto sócio-ambiental;
– Avaliar a viabilidade econômica de projetos de engenharia;
– Assumir a postura de permanente busca por atualização profissional.


Área de Atuação

O ambiente de atuação do Engenheiro formado em Automação e Controle: empresas e indústrias que utilizam sistemas automatizados, indústrias de máquinas, equipamentos e dispositivos de controle e automação industrial, comercial e predial, concessionárias de energia, automatizando os setores de geração, transmissão e distribuição de energia, empresas e laboratórios de pesquisa científica e tecnológica. Também podem atuar de forma autônoma, em empresa própria ou prestando consultoria.


Perfil do Egresso

O Curso de Graduação em Engenharia tem como perfil do formando egresso/profissional o engenheiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, capacitado a absorver e desenvolver novas tecnologias, estimulando a sua atuação crítica e criativa na identificação e resolução de problemas, considerando seus aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais, com visão ética e humanística, em atendimento às demandas da sociedade.

O Engenheiro de Automação e Controle formado pelo UNISAL atua no desenvolvimento e integração de processos, sistemas, equipamentos e dispositivos de controle e automação. Em sua atividade, otimiza, projeta, instala, mantém e opera sistemas de controle e automação de processos, de manufatura e acionamento de máquinas; de medição e instrumentação eletroeletrônica, de redes industriais e de aquisição de dados. Integra recursos físicos e lógicos, especificando e aplicando programas, materiais, componentes, dispositivos, equipamentos eletroeletrônicos e eletromecânicos utilizados na automação industrial, comercial e predial. Coordena e supervisiona equipes de trabalho; realiza pesquisa científica e tecnológica e estudos de viabilidade técnico-econômica; executa e fiscaliza obras e serviços técnicos; efetua vistorias, perícias e avaliações, emitindo laudos e pareceres. Em sua atuação, considera a ética, a segurança e os impactos sócio-ambientais.

Está capacitado para absorver novas tecnologias com visão crítica, global e atualizada do mundo, ter liderança e comunicação para o trabalho em equipe, no gerenciamento, concepção, implementação, uso e manutenção de sistemas de automação industrial, bem como consciência da necessidade contínua de atualização profissional e de uma atitude empreendedora.


Estrutura Curricular

A estrutura curricular do curso está de acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais e os Referenciais Curriculares Nacionais dos Cursos de Bacharelado para o curso de Engenharia de Automação e Controle, destacando os seguintes tópicos:

– Inclusão desde os primeiros períodos de disciplinas de formação profissional.
– Equilíbrio entre disciplinas básicas e avançadas.
– A importância de uma sólida formação em matemática e física é mantida, apesar da presença de disciplinas de formação profissional no início do curso.
– Cada período tem um bom equilíbrio entre disciplinas de maior e menor grau de dificuldade, com o objetivo de proporcionar um melhor aproveitamento de todas as matérias.
– Aprendizado baseado em problemas, estudo de casos e projetos.


Corpo Docente

Prof. Me. Alexandre Tizzeihttp://lattes.cnpq.br/1080986696158351
Profa. Dra. Ana Lúcia Mendes Cruz S. da Silvahttp://lattes.cnpq.br/7799550788461853
Profa. Dra. Bárbara Zini Ramoshttp://lattes.cnpq.br/8077533764792655
Prof. Dr. Carlos Eduardo Saurahttp://lattes.cnpq.br/7319008659985468
Prof. Me. Carlos Renato Meneghettihttp://lattes.cnpq.br/5699355232258556
Prof. Esp. Celso Eduardo Vieira Oliveirahttp://lattes.cnpq.br/3309335846437857
Prof. Dr. Eduardo José Sartorihttp://lattes.cnpq.br/3002208596173699
Prof. Me. Eduardo Onohttp://lattes.cnpq.br/4554575735565604
Profa. Dra. Elisabete Maria Saraiva Sanchezhttp://lattes.cnpq.br/4092583355601690
Prof. Me. Fabio Aparecido Cavarsanhttp://lattes.cnpq.br/8592553799109185
Prof. Dr. Fernando Silvestre da Silvahttp://lattes.cnpq.br/3721608532318319
Prof. Me. Galesandro Henrique Capovillahttp://lattes.cnpq.br/3970718199085272
Prof. Me. Hugo Lourenço M. Santoshttp://lattes.cnpq.br/8528323188339708
Prof. Dr. Jackson Tsukadahttp://lattes.cnpq.br/6351599543514158
Prof. Me João Paulo Vissottohttp://lattes.cnpq.br/6490357739119192
Prof. Esp. Jorge Fernando Lacrouxhttp://lattes.cnpq.br/5784247894625449
Prof. Me. José Carlos Freire da Rocha Juniorhttp://lattes.cnpq.br/7969035635737383
Prof. Me. José Márcio de Lima Oliveirahttp://lattes.cnpq.br/5805443054011769
Prof. Me. Josilene da Costa Plácido de Freitashttp://lattes.cnpq.br/2867481473381536
Profa. Me. Juliana Miyoshihttp://lattes.cnpq.br/8314637827401626
Prof. Dr. Lino Rosell Valdenobrohttp://lattes.cnpq.br/6013588613018484
Prof. Me. Luis Rogerio Gomes de Almeidahttp://lattes.cnpq.br/8250803796925989
Prof. Dr. Marcelo Assaoka Hayashihttp://lattes.cnpq.br/9030601400268195
Prof. Me. Marcos Camargohttp://lattes.cnpq.br/8542114832435910
Prof. Dra. Magda Vieira da Silva Oliveirahttp://lattes.cnpq.br/4211118574296629
Profa. Me. Maria Bernadete Caetano Theodorohttp://lattes.cnpq.br/1278522307263262
Profa. Dra. Marisa Franzonihttp://lattes.cnpq.br/0073112867364921
Prof. Me. Murillo Fraguas Franco Netohttp://lattes.cnpq.br/2897963955920422
Prof. Dr. Nasser Mahmoud Hasanhttp://lattes.cnpq.br/2679417170777195
Prof. Me. Nelson Coutinho da Silvahttp://lattes.cnpq.br/7969100318143796
Profa. Dra. Patricia B. Lucente Fregolentehttp://lattes.cnpq.br/0137017476590822
Prof. Me. Paulo Henrique Amorim Biazolihttp://lattes.cnpq.br/3488850969915311
Profa. Dra. Renata Cristina Sossaehttp://lattes.cnpq.br/5378788217415956
Prof. Me. Renato Pezzinhttp://lattes.cnpq.br/7046929775294906
Prof. Dr. Ricardo Baldassin Juniorhttp://lattes.cnpq.br/1206034815166926
Prof. Me. Roderlei Camargohttp://lattes.cnpq.br/1896560730757804
Prof. Me. Rodrigo Tarcha Amaral de Souzahttp://lattes.cnpq.br/9378810509808981
Prof. Dr. Sergio Augusto Luckehttp://lattes.cnpq.br/6459274900855358
Prof. Me. Sérgio Luis Zarpellonhttp://lattes.cnpq.br/0652790511740034
Prof. Dr. Vadson Bastos do Carmohttp://lattes.cnpq.br/8630656324150719
Prof. Dr. Valter Luiz Larahttp://lattes.cnpq.br/2905352435781260
Profa. Me. Vanessa Davanço Pereira de Limahttp://lattes.cnpq.br/9265290346073013
Profa. Dra. Wanessa Carla Gazzonihttp://lattes.cnpq.br/0576056111153263
Prof. Me. Wlamir de Almeida Passoshttp://lattes.cnpq.br/7423306632829535
Profa. Dra. Zaida Jova Aguilahttp://lattes.cnpq.br/8753841387843801


Emprego e Estágio

Dentre os itens do Projeto Pedagógico do Curso Graduação em Engenharia de Automação e Controle, destaca-se como de suma importância para o estudante o Estágio Supervisionado, realizado em empresas relacionadas à área de formação e com carga horária mínima de 520 horas. As normas que regem o estágio supervisionado são descritas no Regulamento de Estágio.

No estágio supervisionado obrigatório, realizado no sétimo e oitavo semestres, o estudante faz seu primeiro contato com a realidade da empresa, saindo do ambiente acadêmico com seus princípios teóricos e vislumbrando a complexidade daquele novo mundo, suas tecnologias, procedimentos, cultura e ambiente.
Deste modo, podemos resumir a função do estágio em:

– dar um referencial à formação do estudante;
– esclarecer seu real campo de trabalho após sua formação;
– motivá-lo ao permitir o contato com o real : teoria x prática;
– dar-lhes consciência das suas necessidades teóricas e comportamentais;
– dar-lhes uma visão geral do setor produtivo e da empresa em especial;
– descobrir áreas de interesse para a sua própria especialização no decorrer do curso.


Projetos/Serviços

– Monitoria – O Programa de Monitoria, sob a responsabilidade da Coordenação do Curso, é mais um espaço de aprendizagem proporcionado aos discentes de graduação. A sua principal finalidade é o aperfeiçoamento do processo de formação profissional, criando condições de aprofundamento teórico e o desenvolvimento de habilidades relacionadas à atividade docente. Objetiva “despertar nos discentes o gosto pela carreira docente, pela pesquisa e assegurar a cooperação do corpo discente ao corpo docente nas atividades de ensino, pesquisa e extensão” e está voltado, basicamente, ao desenvolvimento de atividades ligadas ao ensino de graduação.
Entende-se que essa distinção de atividades garante o atendimento de necessidades específicas dos diferentes cursos e permite maior dedicação do discente ao Programa, ao qual está vinculado. Assim, reconhece que atividades de ensino podem estar diretamente associadas às de pesquisa e/ou extensão. Desta forma, os planos de trabalho de cada monitor devem, quando houver relação do ensino com aquelas atividades, explicitar e justificar essa relação em termos de benefício do ensino. Os planos específicos das disciplinas sob responsabilidade dos orientadores devem ser aprovados pela coordenação e pela Diretoria Operacional.

– Iniciação Científica – Iniciação Científica e a Iniciação Tecnológica caracterizam–se como um fundamental instrumento de apoio teórico e metodológico e constituem um canal adequado de auxílio à construção de uma nova mentalidade no discente. Seus objetivos principais são:

– despertar a vocação científica e tecnológica dos discentes;
– contribuir para a formação de talentos para a pesquisa e desenvolvimento;
– desenvolver o senso crítico dos discentes e docentes através de uma intervenção na realidade, promovendo a produção científica e tecnológica, assim como sua publicação;
– conduzir a sistematização e institucionalização da pesquisa e desenvolvimento;
– fomentar a interação entre cursos no âmbito do programa;
– auxiliar a instituição de ensino superior no cumprimento de sua missão de integração entre ensino, pesquisa e extensão;
– estimular os docentes capacitados para a atividade de pesquisa e desenvolvimento a envolverem, de forma constante e permanente, os discentes de graduação no processo acadêmico, otimizando o potencial de orientação para a atividade dentro da instituição;
– estimular o aumento da produção científica e tecnológica do corpo docente;

Os Programas de Iniciação Científica e Tecnológica do UNISAL proporcionam ainda um grande benefício educacional, como o incentivo ao curso na formulação de política de pesquisa na graduação, além de qualificar os discentes aos programas de pós-graduação, colaborando com o fortalecimento de áreas emergentes na pesquisa e desenvolvimento, propiciando condições institucionais para atendimento aos projetos na construção do saber, e estes por sua vez, trazendo evidentes contribuições à sociedade.
Em especial, para o aluno de graduação do UNISAL, esses programas oferecem uma oportunidade única de ingresso na carreira de pesquisador, preparando adequadamente esse estudante para posteriormente ingressar nos cursos de mestrado e doutorado.

– Programas de intercâmbio – Processo de bolsas Ibero-Americana Santander.

– Projetos em Engenharia – Os projetos serão desenvolvidos como uma disciplina a partir do 5 semestre abordando todas os conteúdos ministradas no semestre.



Vestibular 2018