Aluno e Ex-Aluno falam sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente na OSSJB

20180227_190631Em ação que uniu esforços e conhecimentos de um aluno e um ex-aluno do curso de Direito do UNISAL, os orientadores da Obra Social São João Bosco participaram, em 27 de fevereiro, de roda de conversa sobre um tema muito relevante no ambiente da obra: o ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente. Emerson Silva (aluno do 9º semestre) e Ronaldo Castelo Branco (ex-aluno) foram os mediadores do bate-papo, que proporcionou diversas informações úteis aos colaboradores da Obra – educadores de diversas  áreas de formação e conhecimento, como Pedagogia, Administração, Assistência Social e Educação Física.

Para compreender os efeitos práticos de cada princípio constitucional e infraconstitucional, a linguagem do material utilizado foi adaptada, englobando aspectos da jurisprudência em diversos assuntos, com foco em crianças e adolescentes, e os participantes puderam trazer ao debate situações concretas. “Isso nos possibilitou apresentar ferramentas através das quais possa ser garantido que os direitos da criança e do adolescente não sejam violados, seja por ação, por omissão da família, sociedade ou Estado, além de sugerir o tratamento adequado para cada caso de violação”, explica Emerson, que também deixou o seu depoimento sobre a importância social do trabalho realizado:

“Participar de um evento em um ambiente de Dom Bosco, ainda mais com a responsabilidade de representar a instituição de ensino da qual me orgulho, foi uma questão de autenticidade, certeza do caminho do sucesso, sentimento de dever cumprido. Explico: ensinei o que sabia e, para que pudesse transmitir o assunto de forma cristalina, questionei colegas mais experientes e profissionais que atuam na área.

O dever cumprido se dá pelo propósito alcançado, qual seja, de oferecer aos participantes a ideia do limite ao disciplinar alguma criança ou adolescente, apresentar-lhes ferramentas legais de resolução de eventuais problemas, e instituições onde se é possível garantir os direitos descritos no ECA. Assim, com a nossa ação de transmitir o conhecimento de direitos, garantias e deveres, além de medidas de proteção, socioeducativas, o apadrinhamento, a infiltração de agentes policiais em investigações contra crimes sexuais que envolvam crianças e adolescentes, a oitiva especial, a aplicação das medidas protetivas da Lei Maria da Penha, dentre outras, contribuímos para uma melhora de parte da sociedade, visando proteger o futuro de nossa nação”.